segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Sem relógio de ponto








Sem relógio de ponto



Empresas ampliam a adoção de horário flexível para entrada e saída no trabalho, com benefícios para os funcionários.



Cada vez mais brasileiros estão conseguindo realizar um velho desejo: conciliar a jornada de trabalho com os compromissos e as necessidades da vida pessoal. O privilégio de passar na academia de ginástica antes do expediente, dar uma escapadinha no meio da tarde para ir ao dentista ou sair mais cedo para buscar os filhos no colégio deixou de ser exclusividade dos profissionais liberais, dos patrões ou de executivos em cargos muito elevados.
Grandes companhias estão percebendo que abolir a rigidez nos horários de entrada e de saída aumenta a satisfação dos funcionários e pode ser uma providência fundamental para atrair e manter os bons profissionais. A tendência está se espalhando rapidamente e já atinge, em graus variados e em departamentos diferentes, 73% das maiores empresas instaladas no Brasil, de acordo com pesquisa da Hewitt Associates, uma das principais consultorias de recursos humanos do mundo. É um número próximo ao dos Estados Unidos, onde o percentual de companhias que oferecem o benefício saltou de 50% para 80% nos últimos dez anos.
A forma mais comum de flexibilidade adotada no Brasil ainda não permite liberdade plena, mas representa um avanço significativo em relação aos tempos em que o relógio de ponto reinava soberano. Nela, as empresas oferecem alternativas ao horário padrão, sem, contudo, abrir mão do controle sobre a quantidade de horas trabalhadas. É o caso da seguradora AGF, que, em São Paulo, estipulou um horário-núcleo entre 9h30 e 16h30, em que todos devem estar na empresa. As duas horas que restam para completar o expediente são administradas pelo próprio empregado, que pode cumpri-las pela manhã, à tarde ou simplesmente deixá-las para outro dia – desde que, no final do mês, tenha cumprido a carga estipulada.
A prática atinge empresas de todos os setores. Entre as que já têm projetos em estágio avançado estão, por exemplo, Avon, Dow Química, Xerox, Gerdau, Kodak, Levis e Algar. Porém, apesar de estar bem difundida no mercado brasileiro, a iniciativa ainda não atinge os cargos de menor remuneração. Na pesquisa da Hewitt, apenas 35% dos funcionários das 131 companhias que disseram empregar o horário flexível têm chance de optar pelo esquema. Boa parte deles ocupa cargos de nível hierárquico superior – diretores, gerentes e consultores. Na posição mais simples, a possibilidade de escapar da ditadura do relógio continua distante. Para diversos ramos de atividade, os especialistas em recursos humanos argumentam que a flexibilização representaria prejuízo no atendimento ao público, no relacionamento com outras corporações ou na produção em série. Mas a principal causa da resistência é mesmo cultural.
“Muitas empresas receiam conceder liberdade plena de horário porque desconfiam que os empregados abusariam desse direito”, diz Andrea Huggard-Caine, presidente no Brasil da Hewitt. “A maior parte dos chefes ainda acredita que produtividade se mede pela quantidade de horas que o funcionário permanece na empresa”, acrescenta Patrícia Molino, diretora da consultoria KPMG.
Nas corporações em que cada profissional tem autonomia para administrar o próprio tempo e realizar as tarefas da forma que julgar conveniente, está ocorrendo exatamente o contrário do que se temia: é comum encontrar quem trabalhe doze ou mais horas por dia. “Para controlar os excessos, estamos até fazendo campanha de conscientização sobre a importância das férias”, descreve o diretor de recursos humanos da Oracle, André Rapoport. A Merck Sharp & Dohme adotou uma solução drástica: o setor de manutenção tem ordem para apagar as luzes do prédio às 10 da noite, sem verificar se há alguém trabalhando. “Existe um tipo de funcionário que adora ficar no escritório, mesmo que o volume de serviço não exija”, diz o diretor de assuntos corporativos, Marcos Levy. Mas, de acordo com os consultores, está em baixa o prestígio dos viciados em trabalho, que estiveram em voga nos anos 1980, mas perderam fôlego desde então. Hoje, o que as empresas querem é alguém que tenha outras preocupações na vida – família, lazer, filantropia. Retoma-se, assim, a tendência histórica que fez o número de horas dedicadas ao trabalho cair gradativamente no decorrer do século XX. Na década de 1910, os brasileiros trabalhavam, em média, cerca de 3 000 horas por ano. Com a mecanização e o surgimento de benefícios como as férias remuneradas, esse índice caiu drasticamente. Atualmente, a média é de 2 000 horas anuais. Estima-se que um número cada vez maior de companhias evolua para formas mais sofisticadas de flexibilidade, permitindo que os funcionários trabalhem parte do tempo em casa ou reduzindo a jornada semanal para quatro dias. “A geração que está entrando agora no mercado tem outra mentalidade e vai fazer o máximo para encontrar o equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal”, diz Andrea Huggard-Caine, da Hewitt. “Afinal, quem viu os pais trabalharem feito loucos a vida toda para serem demitidos aos 50 anos não quer repetir o erro.”





Os horários de trabalho flexíveis são um sonho para muitas pessoas, pois representam o equilíbrio perfeito entre a esfera pessoal e profissional.



 Os horários de trabalho flexíveis são um sonho para muitas pessoas
 Os horários de trabalho flexíveis são um sonho para muitas pessoas
 Os horários de trabalho flexíveis são um sonho para muitas pessoas
 Os horários de trabalho flexíveis são um sonho para muitas pessoas
Os horários de trabalho flexíveis são um sonho para muitas pessoas




Glossário


Privilégio: direito, vantagem, prerrogativa, válidos apenas para um indivíduo ou um grupo, em detrimento da maioria.






Dicas de Gramática


Concordância Verbal


Observe a concordância verbal nas frases a seguir.

a) “Boa parte deles ocupa [...].”
b) “A maior parte dos chefes ainda acredita [...].”

Nessas frases, o verbo está concordando com as expressões destacadas, e isso é possível no caso de expressões que se referem à parte de um todo, como: um grande número de, a maioria dos/das, uma porção de, a maior parte de, metade de...
Nesses casos, a concordância pode, portanto, se dar tanto no singular quanto no plural.
Ex.: a) “Boa parte deles ocupa [...]” ou “Boa parte deles ocupam [...]”.
b) “A maior parte dos chefes ainda acredita [...]” ou “A maior parte dos chefes ainda acreditam [...]”.



















Links


Sanderlei Silveira (website)

Educação Infantil, Ensino Fundamental, Atualidades e Jogos Educacionais

Língua Portuguesa, Arte e Literatura - Educação (Blogger)

Economia em 1 Minuto (Blogger)

Santa Catarina - Conheça seu Estado (História e Geografia)

São Paulo - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Paraná - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado (História e Geografia)

Português: História em 1 Minuto (Blogger)

English: History in 1 Minute (Blogger)

Español: Historia en 1 Minuto (Blogger)

Educação Infantil - Nível 1 (crianças entre 4 a 6 anos)

Educação Infantil - Nível 2 (crianças entre 5 a 7 anos)

Educação Infantil - Nível 3 (crianças entre 6 a 8 anos)

Educação Infantil - Nível 4 (crianças entre 7 a 9 anos)

Educação Infantil - Nível 5 (crianças entre 8 a 10 anos)

Educação Infantil - Nível 6 (crianças entre 9 a 11 anos)

historia1minuto.com.br

sanderlei.com

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

sz-solution.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário